África e Brasil Africano
Home  |  Literatura  |  História  |  ebooks grátis  |  Testes Vocacionais Intercâmbio Cultural  |  Eshopping  |  Email  

A África é parte importante da
história da humanidade

Marina de Mello e Souza
 
Marina de Mello e Souza acaba de publicar um livro precioso, África e Brasil africano. Em formato grande, ilustrado primorosamente, o volume é resultado, em grande parte, de sua experiência em sala de aula.
Interessada sempre no tema "cultura popular", abordado a partir de uma perspectiva que aproxima história e antropologia, a professora de História da África da USP tem-se dedicado a estudos sobre a África centro-ocidental (a região da atual Angola) e, mais especificamente, sobre as maneiras como os africanos incorporaram o catolicismo, com ênfase nos séculos XVII e XVIII.
Em entrevista ao Boletim Ática, a historiadora fala a respeito de suas pesquisas sobre os temas africanos, do melhor aproveitamento de seu livro em sala de aula e, entre outros assuntos, aborda também a herança africana que compõe corpo e alma do Brasil.


Boletim Ática:
Como se deu sua aproximação com os assuntos africanos?

Marina de Mello e Souza:
Depois de concluir o mestrado, continuei pesquisando festas populares e escolhi as congadas como tema. Ao iniciar as pesquisas para montar um projeto, sugeriram que me dedicasse a estudar a África, pois me ajudaria a entender as festas afro-brasileiras.
Como na época eu morava em Los Angeles, freqüentei por três anos a
biblioteca da Universidade de Los Angeles, lendo sobre a sociedade brasileira escravista, sobre cultura afro-americana e sobre África, continente
que aos poucos fui descobrindo.

Boletim Ática:
O conteúdo temático de África e Brasil africano é riquíssimo, assim como bastante diversificado. Como deve ser o melhor aproveitamento
do livro em sala de aula?

Marina:
Em grande parte, o livro é resultado da minha experiência em sala de aula. Há um
roteiro que lhe dá uma seqüência lógica e temporal, que percorre uma introdução a algumas sociedades africanas, o tráfico de escravos (especialmente para o Brasil), a inserção dos
africanos e seus descendentes na sociedade brasileira escravista, a contribuição africana
para a formação da nossa sociedade, etc.
O livro pode ser trabalhado nessa seqüência ou destacando-se partes específicas, pois os
capítulos também podem ser tomados de forma independente - mesmo não sendo o mais
indicado, pois assim se perde a visão de totalidade unindo África e Brasil, que é o
pano de fundo do livro.
O texto principal é denso, apesar de acessível a um leitor médio, permeado de boxes que
esclarecem sobre temas específicos. As imagens e suas legendas constituem uma terceira possibilidade de leitura, e também servem de ilustração ao texto. Os mapas trazem todas as localidades mencionadas nos textos e são fundamentais para a melhor compreensão deles.
Acredito que o professor deva familiarizar-se com o livro para então fazer sua opção de como trabalhá-lo com os alunos, em função da estrutura do seu curso, podendo dar maior ênfase a
um ou outro aspecto, conforme seu planejamento didático.

Boletim Ática:
Por ser muito nítida a presença africana entre nós, fica facilitada
sua compreensão?

Marina:
Apesar de estarmos acostumados com a presença do negro na sociedade brasileira,
nossa percepção ainda é cheia de preconceitos. Espero que o livro ajude a percebermos como conhecemos muito pouco sobre a sua real contribuição para a formação da nossa sociedade - e
como sabemos menos ainda sobre as sociedades de origem dos africanos escravizados.

Boletim Ática:

Imagens e informações difundidas regularmente em todo o mundo transmitem
uma idéia de dissolução de parte do continente africano, seja por doenças, pela pobreza ou por disputas políticas, étnicas e religiosas. Como deve ser sustentada didaticamente a importância milenar da África?

Marina:
A África é parte importante da história da humanidade. O homo sapiens partiu da
África para sua aventura rumo ao aprimoramento; o Egito existiu no norte da África; a Etiópia adotou o cristianismo no século V; no século VII, árabes, indianos e persas comerciavam na
costa oriental da África, onde trocavam ouro e marfim por porcelana chinesa e tecidos indianos; Cartago, no norte da África, foi província romana; grande parte do ouro que circulava nas rotas
do Mediterrâneo, no início da Idade Moderna, atravessava o Saara em caravanas de camelos,
vindo de Tombuctu, às margens do rio Níger; a partir da exploração da costa atlântica pelos portugueses, mais ouro, agora em Axante, alimentou a economia européia, mas a principal mercadoria passou a ser os escravos, que construíram os impérios coloniais.
Para nós, brasileiros, a África tem importância especial, sendo juntamente com Portugal uma
das grandes matrizes da nossa sociedade.
Antes de mais nada, é preciso mostrar aos alunos que as imagens que a mídia veicula são um aspecto parcial das realidades, geralmente aquele que vende jornais e revistas. Veja a imagem
que a mídia veicula do Brasil: as guerras dos traficantes, os massacres de ativistas políticos, a corrupção do Estado, etc. são tomados como a totalidade da realidade. Nós, que vivemos nossas vidas dia após dia, sabemos ser bem mais complexa e variada essa realidade.
Assim, conflitos étnicos, genocídios, crianças famélicas e aidéticas, líderes corruptos e cruéis certamente fazem parte da realidade de muitas sociedades africanas, que são também "muito
mais" do que isso. E é esse "muito mais" que tem de ser conhecido, para que possamos ajudar
de fato aqueles que precisam e para que também aprendamos com outras maneiras de viver.

Boletim Ática:
O Brasil tende a mascarar essa riquíssima herança na sua formação?

Marina:
A herança africana está muitas vezes mascarada, travestida de folclore, de exotismo, de algo marginal e secundário, frente à precedência das contribuições européias.
A força da ideologia é tamanha que até há pouco tempo o próprio afro-descendente ignorava sua herança cultural africana, tendo como ideal exclusivo os valores europeus.
Há muito já se percebeu que a grande riqueza cultural e o diferencial do Brasil reside em ser
um país mestiço, em que povos se misturam. Pretos, brancos e amarelos; bantos, iorubas, tupinambás, guaranis, carijós, portugueses, espanhóis, italianos, japoneses, libaneses e
tantos outros.
Enquanto a Europa se desnorteia diante da invasão de africanos e árabes que vão buscar na metrópole aquilo que lhes foi prometido na época dos grandes impérios - que tomaram conta de
suas riquezas e de suas sociedades, e quase nada deixaram em troca -, nós estamos calejados
para viver o contato com a diferença. Mas percebemos pouco essas vantagens, porque ainda
temos preconceitos dentro de nós, dando menos valor às nossas heranças ameríndias e
africanas do que às européias.

Data: 16/05/2006

Detalhes do livro África e Brasil africano

Outros temas

Classe média negra no Brasil: negros em ascensão social

O movimento docente e a proposta de cotas para
negros no ensino superior

A Descolonização Afro-asiática

Bolsa de Estudo em troca da isenção de Impostos

O Igualitarismo Acabou

A Igualdade de Acesso a Escola

A Construção do Indivíduo Ético

...ou visite
Todos os Artigos Avulsos Constantes no Site


Leituras Recomendadas  -  Click no Título
ÁFRICA E BRASIL AFRICANO
Marina de Mello e Souza - Ática

OS ABOLICIONISTAS
Antônio Augusto da Costa faria - Àtica

A COR DO PRECONCEITO
Carmen Lucia Campos e outros - Ática

O ESCRAVISMO NO BRASIL
Mario Maestri - Moderna

ESCRAVIDÃO NO BRASIL
Edição especial - Revista Veja

VISITE NOSSO ACERVO
DE LIVROS NOVOS E USADOS





Procure na BUSCA pelo
autor ou pelo título.
Se tiver dúvida insira apenas
parte do título ou autor
 
Use palavras-chave para
achar o que procura.
ou click em
Busca Avançada

Fique atento ao valor do frete. Adquira mais livros.
Até 1 kilo, o preço do frete
tem o mesmo valor
Marina de Mello e Souza
nfl power rankings week 6
- fan7 - www5