Amanuense Belmiro
Home  |  Literatura  |  História  |  ebooks grátis  |  Testes Vocacionais Intercâmbio Cultural  |  Eshopping  |  Email   
O Amanuense Belmiro de Cyro dos Anjos
Fontes*

O amanuense Belmiro é um texto em que a fineza psicológica e a captação amável da realidade atingem um
nível incomum face aos demais relatos da década de 1930.

Cyro dos Anjos é mineiro de Montes Claros, Minas Gerais, filho
de um fazendeiro-professor e de uma mulher igualmente ilustrada que lhe possibilitaram uma educação qualificada. Fez seus estudos secundários e, posteriormente, mudou-se para Belo Horizonte e bacharelou-se em Direito. Entrou na vida burocrática ocupando cargos importantes na administração estadual mineira.
Como intelectual conviveu com a geração de Carlos Drummond de Andrade, João Alphonsus e outros escritores de peso.

Em 1937 lançou a sua mais importante obra, O amanuense Belmiro.
Em 1946, transferiu-se para o Rio de Janeiro, sempre exercendo funções burocráticas elevadas, agora na administração federal.
Passou um ano no México regendo a cadeira de Estudos Brasileiros na Universidade Autônoma. Exerceu idêntica função na Universidade de Lisboa.
Ao voltar para o Brasil foi subchefe do Gabinete Civil do governo JK e, mais tarde, professor na Universidade de Brasília e membro do Tribunal de Contas
do Distrito Federal. Morreu no Rio de janeiro em 1994.

Cyro Versiani dos Anjos é colocado pelos entendidos do negócio entre a
segunda geração modernista. Foi o romancista mais sutil e poético da geração
de 30. Em meio a um conjunto de obras de denúncia social e impiedosos
registros das contradições brasileiras, os romances deste autor mineiro – sobremodo O Amanuense Belmiro – destacam-se pelo lirismo e
pela delicadeza de traços.

A história literária de um país tem a sabedoria de contemplar, por igual

merecimento, os autores de obra caudalosa e aqueles que, até com um só livro, conquistam a posteridade. Cyro dos Anjos deixou alguns romances de valor comprovado, mas se
ele tivesse permanecido apenas n'O amanuense Belmiro, seu lugar no panteão brasileiro estaria plenamente assegurado.

Cyro dos Anjos elegeu-se em 1969 para a cadeira nº 24, na Academia Brasileira de Letras, tendo como antecessor Manuel Bandeira, na qual permaneceu
até a sua morte, em 4 de agosto de 1994.

O Enredo

Belmiro, burocrata solteiro de trinta e oito anos, habitante de Belo Horizonte, escreve um diário como forma de compensação pela mediocridade de sua vida pessoal.
Em princípio, pretende relatar o seu passado na pequena Vila de Caraíbas, no interior mineiro.
Sob um olhar francamente idealizante, ele se dispõe a evocar a grandeza dos Borbas – família oligárquica da qual é descendente fracassado.
Simultaneamente – rememora o seu louco amor por uma jovem chamada Camila
(que já morreu), e tudo aquilo que no tempo pretérito representava beleza e poesia.
Contudo, as atribulações do presente acabam subjugando o passado, a tal ponto que este surge apenas em momentos esporádicos, como contraponto lírico
às angústias atuais.

A função pública quase nada exige de Belmiro. Assim, pode dedicar-se aos amigos, às irmãs mais velhas que vivem com ele, e, principalmente, à sua própria interioridade, incessantemente mostrada.

A análise excessiva parece condená-lo à paralisia frente à vida. No entanto, em sua subjetividade, ele cultiva ardente paixão platônica por uma jovem que o abraçara rapidamente em um baile de carnaval e depois desaparecera. Belmiro invoca então o “mito de Arabela”, donzela de suas leituras infantis, que vivia em uma torre de castelo e morria por amor.

Esta imagem de uma inatingível deusa feminina, vinda da infância, e da qual ele jamais se livrou, parece justificar a sua incapacidade de relacionamento com as mulheres.

Mais tarde ele descobre – através de um amigo – que a moça era “real”, chamava-se Carmela e pertencia a uma família da elite econômica de Minas. Apesar das tentativas do amigo em
apresentá-lo à jovem, Belmiro, ou por se sentir um “velho”, ou por inferioridade social, ou por timidez recusa-se a conhecer Carmela.
Desta forma acaba, preferindo a mulher ideal à mulher concreta, conforme ele próprio
anota em seu diário:


Já não reajo contra as visitas dessa doce imagem. Associei-me à minha vida, ela me pertence.
A Carmela real, inatingível, será de outro, casará, terá filhos. Mas a que construí será sempre
minha, e o tempo não exercerá sobre ela sua ação desagregadora, porque está fora dos
domínios do tempo.

Este mergulho na vida interior não impede Belmiro de demonstrar interesse e piedade pelos seres que o circundam, abrindo um foco de ternura em meio a frieza da pura observação da existência.
 
Os amigos com os quais se relaciona traduzem o limitado quadro humano e ideológico de uma pequena capital brasileira dos anos 30: Redelvim, o comunista ingênuo; Silvano, o intelectual simpatizante da ordem e da hierarquia; Jandira, uma espécie de feminista antes do tempo;
Florêncio, um simplório pequeno burguês; Glicério, o jovem burocrata com pretensões
literárias e aristocráticas.

No final do romance, Belmiro suspende definitivamente a escrita do diário, como se de certa
forma a vida não pudesse lhe oferecer mais nada e restasse ao personagem-narrador apenas o remoer contínuo das coisas já passadas.

O amanuense Belmiro é um texto em que a fineza psicológica e a captação amável da realidade atingem um nível incomum face aos demais relatos da década de 1930.

Belmiro procede de uma família interiorana e patriarcal, destruída pelas crises das décadas de
1910 e 1920. É um protagonista inadequado ao mundo urbano. Sua saída, melancólica e acomodada, dá-se pela escrita:

“Quem quiser que fale mal da literatura. Quanto a mim direi que devo a ela minha salvação.
Venho da rua deprimido, escrevo dez linhas, torno-me olímpico...”

Há no texto uma tensão (sem maiores conflitos) entre o Belmiro lírico-sentimental e o Belmiro analista que tudo inventaria
Em todos os amigos, Belmiro descobre valores humanos positivos que ultrapassam os limites de
suas ideologias, estas sempre mesquinhas. Por isso, gosta deles, se interessa pelo seu destinos
e em caso de necessidade – vencendo a sua impotência para a ação – os auxilia.
Quando Redelvim é preso, após a Intentona Comunista, de 1935, o amanuense coloca em risco a própria carreira pública e mobiliza até um senador para libertar o amigo.

Belmiro é um liberal ao mesmo tempo cético, ingênuo e impotente para a ação. Mistura, no dizer
de Roberto Schwarz, perspicácia e banalidade. Vê a vida passando, sem possibilidades de realizar qualquer coisa de importante. Volta-se então para a criação de mitos (Carmela, Arabela, Jandira, Camila), com os quais suporta a existência, ainda que não acredite verdadeiramente neles. e ironiza. Por isso, o lirismo contínuo é dissolvido pela ironia, também contínua do amanuense. O final do romance remete para um grande vazio.

Esta mesma tendência analítica e introspectiva ressurgiria no outro romance de Cyro dos Anjos, Abdias, em que também sob a fórmula de um diário o narrador apresenta comentários líricos e reflexivos sobre a sua vida pessoal.

Análise 02


O AMANUENSE BELMIRO E O GÊNERO DIARÍSTICO

Keila Mara Sant’Ana Málaque (UNESP)

O Amanuense Belmiro é romance do tipo reflexivo, auto-consciente e um dos modos pelos quais se revela, em seu interior, a prática da introversão é através dos questionamentos que envolvem a passagem do estilo memorialístico para o diarístico.

Tal indefinição de gênero é postulada pelo narrador de O Amanuense no início do romance.
Se a proposta inicial era a de escrever memórias, aos poucos Belmiro observa que a escritura
vai assumindo os modos e formas típicos do diário, uma vez que os dados do presente vão
dominando os do passado.

É certo que esses não são os únicos gêneros que, de algum modo, estão envolvidos no romance
em questão.
Vale aqui lembrar que a obra, no passado, teve outra forma. O livro nasceu de crônicas que Cyro
dos Anjos escrevia para o jornal A Tribuna, em Minas Gerais, no ano de 1933, as quais o escritor assinava sob o pseudônimo de Belmiro Borba. Mudanças bastante razoáveis, diga-se de passagem:

 o que antes foi crônica, surge em O Amanuense com a intenção de memórias para terminar em diário, configurando ao final um romance: gênero dentro do qual cabe de tudo - como sugeriu
Octávio Paz - dado à sua ambigüidade.

É patente, a partir daí, o descompromisso do escritor com um gênero definido, descompromisso
que acaba por se fazer conveniente ao narrador na medida em que, libertando-se de um gênero definido, acaba por exercer mais de um.

Consideraremos, porém, aqui, esses dois gêneros básicos - memórias e diário - uma vez que estes são objeto de questionamentos e observações dentro da própria obra. Para as considerações aqui anotadas, fazemos uso das colocações de estudiosos do gênero diarístico, tais como Béatrice Didier e Alain Girard.

É interessante observar, de início, que ambos os gêneros fizeram parte da prática literária de Cyro dos Anjos. Exercitou-se no diário em O Amanuense Belmiro e nas memórias
em A menina do Sobrado.
É fato que, em O Amanuense, a presença da forma diarística é tão intensa a ponto de fazer-se alusão, ali, a nada menos que três diários - o de Silviano, o de Belmiro e o de Redelvim.
Mesmo Montanha, sua obra com características de romance político, contém um diário - o
de Ana Maria.

Essas duas formas - diário e memórias - de algum modo, parecem se tocar.
Afirmam os estudiosos do gênero que o diarista é muito sensível ao prestígio das lembranças e
às tentações das memórias, consagrando-se, muitos deles, em ambas as formas.

Um dos aspectos diferenciais entre o memorialista e o diarista é que o diarista não termina sua obra. É, todo tempo, um texto em transformação. Permanecendo inconclusa, ela haverá de ter sempre o caráter de fragmento.
Enquanto o memorialista é capaz de ver a vida como um todo, o diarista apenas transmite o seu dia-a-dia. Parecem-me observáveis aí dois aspectos que tornam
o diário uma forma bastante adequada aos padrões da narrativa contemporânea.
O primeiro é a questão do caráter fragmentário da narrativa moderna, a incapacidade de se perceber a realidade como um todo, mesmo que o
fragmentário ligue-se a uma busca de totalização.

 O segundo aspecto diz respeito à impossibilidade de um fecho conclusivo no diário. Afirma Paul Ricouer que um fecho não conclusivo convém a uma obra que levanta de propósito um problema
que o autor considera insolúvel, colocando em relevo o caráter interminável da
temática da obra inteira.

Ainda um outro aspecto apontado pelos estudiosos do gênero é que, ao contrário do memorialista,
o diarista caracteriza-se por não ter obtido êxito na condução de sua vida. O memorialista tem o caráter de vencedor, mesmo passando por combates, enquanto o diarista é sofredor, vive sob
o signo da impotência.
Para Béatrice Didier, o diarista sente-se vítima de uma grande delicadeza, de uma timidez, de
uma sensibilidade, razão porque não conseguiria obter uma imagem global de si próprio.

Ainda um terceiro aspecto que faz do diário um gênero apropriado para ser utilizado em um
contexto de narrativa moderna é a liberdade que o caracteriza.

Diferentemente das memórias, o diário não tem obrigação de continuidade. O diarista pode fazer
interrupções e, como escrita do dia-a-dia, tem a liberdade de escrever o que quiser na ordem em
que desejar. Não precisa se preocupar com a coerência de um enredo ou com a lógica da narrativa.

O aspecto que nos interessa, no entanto, e que revela, igualmente, a adequação do gênero
diarístico a uma literatura em moldes modernos, é sua relação com a linguagem: o diário enquanto exercício metalingüístico. O diário, aparentemente, se apresenta como linguagem representativa
da realidade, de uma experiência vivida. No entanto, toda a experiência nele retratada, longe de
ser experiência real é única e exclusivamente experiência de linguagem.

Conforme Ortega y Gasset, uma das conseqüências do afastamento da arte em relação ao
realismo é a tendência de esta transformar-se em jogo ou fraude. Em O Amanuense, o artista submete o leitor, igualmente, a uma fraude ou tapeação, encontrando-se na forma diarística o ponto nodal da fraude, já que o diário é pura e simplesmente ficção.
Porém, se de um lado, tal forma implica ficcionalização, por outro intenta gerar a certeza de que a obra não é uma ficção.
O diário, longe de ser a documentação do cotidiano, é a ilusão dela. E o processo
de estilização está, justamente, na criação dessa ilusão, em última hipótese, a ilusão da
realidade ficcional.

Lembro Bakhtin, para quem a estilização difere do discurso direto precisamente pela presença
da consciência lingüística, à luz da qual o estilo estilizado é recriado e tendo-a como pano de
fundo, adquire importância e significação novas.

A visão do diário enquanto ficção - e não realidade - torna-se nítida no capítulo quatro, em que Jandira questiona Belmiro sobre a razão por que deseja escrever um livro. Sua resposta é:

 “Respondi-lhe que perguntasse a uma gestante por que razão iria dar à luz um mortal, havendo tantos.” (ANJOS, 1989: 14)

A impressão que se tem é que a obra, como se fosse uma criança, tem vida própria, é um mundo à parte, autônomo: “...a vida fecundou-me a seu modo, fazendo-me conceber qualquer coisa que já me está mexendo no ventre e reclama autonomia de espaço”. (p. 14)

E tanto é criação que o mesmo ser criador se considera também um assassino de outras criações,
um abortador: “Este mesmo Belmiro sofisticado foi quem matou dois outros livros, no
decurso dos dez últimos anos.
Um, no terceiro capítulo, e outro na décima linha da segunda página. Enterrei-os no fundo do
quintal, como se enterravam os anjinhos sem batismo, em Vila Caraíbas.
Sobre a cova brotou uma bananeira” (p. 14).
Não sem razão, o título deste capítulo é Questão de Obstetrícia.

E, nesse mesmo capítulo, dentro do espírito de incerteza ou ambigüidade tão típicos do livro, a
obra, em um mesmo parágrafo, se nega e se afirma enquanto romance:

Não se trata aqui de romance. É um registro nostálgico, um memorial desconchavado.
Tal circunstância nada altera, porém, a situação. Na verdade, no centro do nosso espírito, as recordações se transformam em romance, e os fatos, logo consumados, ganham outro contorno,
são acrescidos de mil acessórios que lhes atribuímos, passam a desenrolar-se num plano especial, sempre que os evocamos, tornando-se, enfim, romance, cada vez mais romance. Romance trágico, bufo, ou sem nenhum sentido, conforme cada um de nós, monstros imaginativos, é trágico,
é cômico ou absurdo. (p. 71)

Essa idéia surge, ainda, no capítulo 83, A vida se encolhe, em que Belmiro afirma não
tencionar escrever romance.

A recusa do gênero romance aponta para o sentimento de inferioridade ou impotencialidade que persegue o diarista, conforme abordamos acima.
O gênero romance possui qualquer coisa de grandioso, e Belmiro não acredita que possa sair
de si nada dessa natureza. Já o diário, pelo menos aparentemente, apresenta-se como gênero
mais fácil, apropriado para iniciantes.
Nesse sentido, a expressão que o protagonista utiliza para traduzir a si próprio em relação à sua origem familiar - “fruto chocho de um ramo vigoroso” - poderia também ser extrapolada para
a relação entre as duas formas: diário e romance.

Creio que a escolha do gênero diário liga-se, ainda, a certa preferência do personagem
protagonista pelo modesto, o insignificante, o aparentemente inferior. A própria opção por
Carolino, ao final do romance, parece-me apontar para isso.
De toda uma gama de amigos - acadêmicos, filósofos, esquerdistas, religiosos - quem permanece
é o aluado Carolino, simples contínuo na repartição, sem estudos, complexado e carente
de contato humano. A toda essa simplicidade, no entanto, Belmiro sabe insuflar valor, pois,
ao final, acaba por reconhecê-lo amigo bom e dedicado.

A opção pelo diário, em O Amanuense Belmiro, mostra-se também coerente com o herói
moderno - ou o anti-herói: herói nulo, a própria “coordenada do vazio”, indivíduo sem força
alguma diante do mundo ou, na expressão de Octávio Paz, o herói duvidoso.
É próprio da literatura moderna ter personagens centrais que são mais vítimas do que agentes.


Empenhamo-nos, até aqui, em trazer à tona o tratamento metalingüístico, relacionado ao aspecto criacional de O Amanuense. Tal comportamento, porém, há de se ampliar na atividade reflexiva, diríamos mesmo crítica, que se opera no interior do romance.

No capítulo 76, Ora bolas, referindo-se a Silviano, Belmiro faz uma colocação que parece figurar
bem a relação entre esses dois momentos - o criativo e o crítico: “Descobri o segredo de Silviano: transferir os problemas para o Diário e realizar uma espécie de teatro interior. Parte de nós fica
no palco enquanto outra parte vai para a platéia e assiste” (p. 161)

Se, ao primeiro olhar, essa colocação remete-nos à personalidade e caráter do personagem -
aquele que sofre e estiliza o sofrimento - aponta também para o caráter da obra literária:
a literatura dividida, nas palavras de Barthes, em objeto olhante e olhado, fala e fala dessa fala, literatura-objeto e metaliteratura.
A mesma literatura que é criação é, simultaneamente, crítica ou reflexão.

Sabe-se que o diário, enquanto mergulho na subjetividade, é forma adequada à auto-análise, à reflexão com vistas à auto-consciência. Este, em suma, parece ser o empenho de Belmiro:
conhecer-se. Percebemos, neste romance, que tal forma ainda se faz apropriada à própria
literatura, que busca compreender-se.
Por meio do diário, ela - a literatura - realiza seu teatro interior.

Alguns críticos apontaram para o caráter reflexivo da obra, registrando o fato de que ela traduz
a si própria. Nelly Novaes Coelho apontou para o caráter auto-explicativo dessa obra afirmando
que “O Amanuense Belmiro não é um romance “difícil”, pelo contrário. Seu autor nos conta tudo, nos explica tudo... e assim o leitor, aparentemente, não tem nada a vencer, para a
compreensão geral do livro” (COELHO, 1966: 461).

Ao atentarmos para o quadro de personagens do romance, é possível observar uma das formas
como nele se dá o fazer crítico/reflexivo. Nesse sentido, o personagem Silviano assume um papel especial, uma vez que, a todo tempo, dá indicações para a compreensão da obra - e o faz na
medida em que traz luzes sobre o próprio criador dela. A relação entre ele e Belmiro possui
intensa força caracterizadora.
O próprio diário de Silviano (um segundo diário, ou um diário que acontece dentro de outro, como
um jogo de caixas) poderíamos chamar metalingüístico, uma vez que possui uma função tradutora
em relação ao diário de Belmiro, sintetizando os problemas de vivência do herói:
A função assumida por Silviano, a partir daí, afigura-se como a de um intérprete, em relação ao personagem protagonista. Ora, a tarefa crítica é tarefa definidora, e tal preocupação revela-se bastante presente na obra em questão.

Como romance que se auto-analisa, O Amanuense Belmiro enquadra-se bem naquilo que
Malcolm Bradbury e John Fletcher, referindo-se ao romance moderno, chamam de “prática de introversão”. Para esses autores, os romancistas modernos privilegiaram justamente formas que, voltando-se sobre si próprias, mostram o processo de construção do romance e reproduzem
os meios com que se realiza a narração.

Nesta obra, o diário se faz apropriado não apenas à denúncia e confissão da intimidade
psicológica do protagonista, como da intimidade do texto. Os conflitos e dúvidas relativos à elaboração deste são postos às claras.
Revela-se o secreto e escondido, os caibros e andaimes da construção, o que está por trás dos
bastidores e, normalmente, ninguém vê. O romance aproxima-se de sua natureza de construção verbal, na medida em que a própria arte é tematizada, e a reflexão sobre o processo de
elaboração torna-se parte da própria história.

Os questionamentos sobre a feitura da obra acontecem em diversos momentos. A passagem do
estilo memorialístico para o diarístico, por exemplo, por mais de uma vez, é objeto de reflexão: Tecem-se elocubrações, também, sobre as intenções com respeito à obra: “Só conhecemos,
aliás, a vida alheia pelos seus pontos de incidência com a nossa: o mais é conjectura ou romance. Não tenciono escrever romance.” (p. 171)

Dá-se, pois, nesta obra, fato corrente em alguns dos grandes romances modernos, personagens
de ficção que são elas próprias conhecedoras de ficção. Elas participam do próprio ato de criação
do romance, integram o plano técnico. Belmiro lê o romance no qual está inserido e
reflete sobre ele.

Em O Amanuense, correndo paralelo ao questionamento sobre “quem sou eu”, feito pelo personagem principal, apresenta-se o questionamento da própria literatura, que indaga sobre
seu ser e caráter.
Lembro aqui a colocação de Barthes segundo a qual a literatura, na busca de auto-conhecimento, joga com sua própria morte: como a heroína raciniana, ela morre de se conhecer mas vive
de se procurar.

O tom final do diário de Belmiro é fúnebre. Se o capítulo 90, Lagoa Santa, já anunciava, usando
o linguajar médico, um estado comatoso (“ Creio que já não tenho mais nada para escrever,
pois a vida se torna vazia, vazia” - p. 183), o último capítulo parece conter o suspiro final
(“...a vida parou e nada há mais por escrever” - p. 187). Paralela `a morte da experiência
apresenta-se a morte da escrita.

O diário também implica uma experiência de morte. A reflexão e a excessiva auto-análise são formas de aniquilamento, e o que se aniquila é a própria vida. É o que nos lembra o mito fáustico:
o amor - vida - estrangulado pelo conhecimento. Ao contemplar-se nas águas, Narciso acaba por submergir no abismo que sua imagem oculta.

O diário é espaço de perigo, mas também de oportunidade. Ao mesmo tempo em que se liga
à morte, liga-se também à vida : “Este caderno, onde alinho episódios, impressões, sentimentos
e vagas idéias, tornou-se, a meus olhos, a própria vida, tanto se acha embebido de tudo o que
de mim provém e constitui a parte mais íntima de minha substância”. (p. 74) Ele traz também a conotação de salvação: “Quem quiser, fale mal da literatura. Quanto a mim, direi que devo a ela minha salvação. Venho da rua oprimido, escrevo dez linhas, torno-me olímpico”. (p. 161)

Penso que o diário permite um mergulho expiatório, uma morte simbólica: batismo e ressurreição. Talvez Belmiro não contasse com a possibilidade de vida e romance - assim como Fênix -
renascerem das cinzas.
 

Produção Literária

Romances
O amanuense Belmiro (1937)
Abdias (1945)
Montanha (1956)

Ensaios
A Criação Literária (1954)

Memórias
Explorações no Tempo (1963)
A Menina do Sobrado (1979)

Poesia
Poemas Coronários (1964)



Fontes de Referências


http://www.filologia.org.br/viiicnlf/anais/caderno11-12.html

http://educaterra.terra.com.br/literatura/romancede30/2003/06/06/000.htm


Bibliografia


ANJOS, Cyro dos. O Amanuense Belmiro. 12ª ed. Rio Janeiro: José Olímpio, 1989.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de Literatura e de Estética. São Paulo: Hucitec, 1988.

BARTHES, Roland. Crítica e Verdade. São Paulo: Perspectiva, 1970.

BRADBURY, Malcolm, FLETCHER, John. Modernismo: Guia Geral. Trad. de Denise
Bottmann. São Paulo: Companhiadas Letras, 1989.

COELHO, Nelly Novaes. O Amanuense Belmiro. In. O Ensino da Literatura. São Paulo:
F.T.D., 1966.

DIDIER, Béatrice. Le Journal Intime. Paris: PUF, 1976.

GIRARD, Alain. Le Journal Intime. Paris: PUF, 1963.

ORTEGA Y GASSET, José. La deshumanización del arte. In. Meditaciones del Quijote.
Buenos Aires: Espasa Calpe, 1942.

RICOEUR, Paul. A configuração do tempo na narrativa de ficção. In. Tempo e narrativa. v. II. Campinas: Papirus, 1995.

Leia Também....

Riobaldo Grande Sertão: Veredas - Guimarães Rosa

Um Certo Capitão Rodrigo de Érico Veríssimo

Laços de família - ponto máximo da prosa de Clarice Lispector

Relato de um Certo Oriente Milton Hatoum

O Livro das Ignorãças  de Manoel de Barros

Leituras Para o Vestibular  -  Click no Título

O AMANUENSE BELMIRO
Cyro dos Anjos

INSÔNIA
Graciliano Ramos

MEMÓRIAS DE CÁRCERE - 2 Volumes
Graciliano Ramos

AGOSTO
Rubem Fonseca - Record

A ERA VARGAS

Maria Celina D'Araujo - Moderna

CIRANDA DE PEDRA
Lygia Fagundes Telles

AS CIDADES E AS SERRAS

Eça de Queirós

A MORENINHA

Joaquim Manoel de Macedo

A NORMALISTA

Adolfo Caminha

A RELÍQUIA

Eça de Queirós

AMOR DE CAPITU

Fernando Sabino

AS PUPILAS DO SENHOR REITOR

Júlio Diniz

ESAÚ E JACÓ
Machado de Assis

REVISTA NOVA ESCOLA
CONTOS PARA CRIANÇAS
Editora Abril

VISITE NOSSO ACERVO
DE LIVROS NOVOS E USADOS





Procure na BUSCA pelo
autor ou pelo título.
Se tiver dúvida insira apenas
parte do título ou autor
 
Use palavras-chave para
achar o que procura.
ou click em
Busca Avançada

Fique atento ao valor do frete. Adquira mais livros.
Até 1 kilo, o preço do frete
tem o mesmo valor
                                   

 
the rockers
- fan7 - www5