Convívio
Familiar
Home  |  Literatura  |  História  |  ebooks grátis  |  Testes Vocacionais Intercâmbio Cultural  |  Eshopping  |  Email   
Repensando a Importância do Convívio Familiar
Armando Correa de Siqueira Neto

As últimas décadas têm proporcionado modificações revolucionárias na vida do ser humano. Avanços tecnológicos que resultaram em maior conforto e possibilitaram
o acesso entre os lugares, através dos meios de transporte e a comunicação. Eletrodomésticos a preços acessíveis, entre outros. Contudo, nota-se, em particular, uma transformação expressiva, uma vez que se trata de gênero: o feminino. 

Com as conquistas realizadas pela mulher na vida profissional, houve uma enorme modificação quanto as ocupações de vaga de trabalho e posição hierárquica dentro das
organizações. Onde existiam apenas homens anteriormente, hoje se encontram mulheres
disputando e executando diversas atividades. Isto aconteceu a duras penas, com muito sacrifício. Transpor as barreiras machistas - e ainda existem várias - não foi tarefa fácil. A luta tem valido
a pena e serve de estímulo para continuar a trajetória desta evolução.

Todavia, para tudo nesta vida, há que se pagar um preço. Em nosso conhecimento comum é
sabido sobre a importância da figura materna na criação dos filhos, é próprio da natureza.
O papel fundamental da mãe para com a sua criança nos primeiros anos de vida, período em que ocorre a estruturação da personalidade infantil. Também importante é o papel do pai, com o seu amor e a inserção dos limites alguns anos depois. Vários aspectos são construídos neste rico
período, tais como as relações afetivas e o processo de educação. Elementos fundamentais para
o porvir, na vida adulta da criança. Sem eles, torna-se precária a formação. Aprende-se no contato diário, no relacionamento comum.

Portanto, se somente pela quantidade e qualidade de convívio é possível se constituir uma boa formação de afetos e educação, que servirão de modelo e hábito para o resto da vida, e as
pessoas que cuidam das crianças encontram-se trabalhando, ou seja, longe deste contato
necessário, o que resulta disso?

A esta pergunta, pondera-se sob diversos ângulos, levando a algumas reflexões que podem
servir de base a constantes questionamentos acerca dos problemas observados com o passar dos anos, repetindo-se e aumentando a estatística das dificuldades nos relacionamentos humanos.
Exemplos comuns a respeito deste convívio familiar insuficiente são a precária formação afetiva, resultando em algumas dificuldades conjugais na vida adulta da criança. Uma vez que ela não
formou este tipo de relacionamento em seu período de estruturação, encontra enorme obstáculo
em oferecer algo que não possui, pelo menos o suficiente. Leva o casamento a um grau de frieza e decorrente distanciamento, ocasionando em alguns casos a separação.
 

Outro fato é o comportamento conseqüente da falta de educação em muitos lares. Pouco convívio, baixa construção educacional e de valores. Soma-se isto à falsa idéia de que limites traumatizam
e pesam mais do que as regras, e então, vê-se uma tremenda falta de educação por todos os lados.
Estas considerações que enraízam alguns dos problemas de relacionamento humano fazem voltar
a atenção novamente para a evolução feminina, e é possível advogar na defesa daquilo que já foi conquistado: a independência, sem radicalizar através da opção involutiva, e ademais, seria impossível retroceder pela própria natureza das progressões. Busca-se, então, uma alternativa
de equilíbrio, a justa medida.

Para trazer este novo dado às dificuldades existentes, faz-se necessária a contextualização política
e econômica da época em que vivemos. Ou seja, com tanto desemprego existente, medo freqüente
de entrar em contato com a miséria (esta, tão bem expressa pela mídia diariamente), a necessidade de se aumentar a carga horária de trabalho para criar maior rendimento, que cada vez mais, alcança menos, pergunta-se: Como tratar da questão da quantidade e qualidade do convívio familiar?
Soa como um absurdo, mas não o é!

O ser humano, em seu caos social, ver-se-á obrigado a modificar os rumos e estabelecer novas medidas para atender a reorganização que deverá ocorrer dentro de algum tempo: a redistribuição de carga horária na vida profissional. Esta proposta é amplamente descrita por pensadores como Domenico De Masi, pensador italiano contemporâneo, que sugere a distribuição do trabalho em períodos de quatro horas diárias para cada profissional, aumentando o número de vagas e abrindo
as portas para tantos desempregados. Isto gerará maior tempo disponível para as pessoas, que poderão usufruir conforme o seu interesse. Inclui-se aqui, o precioso tempo necessário às relações familiares de base; aquelas da formação no período infantil. Maior quantidade e qualidade no convívio, ampliando as chances de uma boa estruturação da personalidade para uma vida posterior melhor. E isto, sem ser preciso lançar mão de artifícios radicais, contando com o bom senso
e a inevitável reorganização social.

Não é um empreendimento fácil. Muita discussão deverá acontecer até que os primeiros passos sejam dados nesta direção. Refletir desde já a respeito pode colaborar ainda mais, viabilizando o lado preventivo da questão, e não permitindo que se chegue ao limite insuportável, como ocorrem
as grandes mudanças, via de regra.

Sabe-se que muitas mães expressam claramente o desejo de dispor de tempo para se dedicar as
suas famílias. E que a falta de perspectiva em transformações neste campo levam à ansiedade
e frustração a respeito do futuro.

Outra reflexão, ainda importante, é sobre a qualidade de vida e do trabalho doravante. Que profissionais as organizações terão sob o seu teto? Pessoas cada vez mais estressadas pela desenfreada corrida por horas a mais no trabalho? Que gastos, privados e governamentais, suportarão a demanda por tratamentos, cada vez maiores, para as doenças que têm consumido
a saúde do ser humano? Quem suportará o crescimento dos filhos, observando a instalação
gradativa de doenças até então de adultos, por conta do frenesi das horas e dos péssimos
hábitos facilmente adquiridos? 

Hoje a criação é distante, fugindo ao importante convívio do significado do termo família, do grego: famulo, que quer dizer servo, aquele que serve. Servir é a base. É preciso estar disponível.
Quem sabe, em breve ocorram as transformações essenciais para que o ser humano continue a
sua evolução, pagando o preço justo por ela, e não a pesada taxa que o consome. É pela reflexão constante, vontade e atitude que se tornará possível contribuir, individualmente para o conjunto familiar, formando assim, uma comunidade melhor. Repensar é olhar os fatos atuais, as possibilidades e o resultado entre ambos.


LEIA TAMBÉM

Letramento: onde, como e por que foi criado este termo?

Letramento versus Alfabetização

Para Um Diagnóstico Informal da Dislexia

Dislexia e Maus-Tratos Infantil

Como descobrir uma criança disléxica

Dislexia: Uma Doença da Classe Média

Leituras Recomendadas  -  Click no Título

ALÉM DA ALFABETIZAÇÃO
Ana Teberosky - Ática

A PRODUÇÃO DA LEITURA NA ESCOLA

Ezequiel Theodoro da Silva - Ática

GUIA TEÓRICO DO ALFABETIZADOR

Miriam Lemle - Ática

LINGUAGEM E ESCOLA

Magda Soares - Ática

O BRASIL NA PONTA DA LÍNGUA

Pasquale Cipro Neto - Ática

DISTÚRBIOS DA APRENDIZAGEM

Ruth Caribé da Rocha Drouet

REVISTA NOVA ESCOLA - APRENDER E BRINCAR

Editora Abril

REVISTA NOVA ESCOLA - ATIVIDADES INFANTIS
Editora Abril

REVISTA NOVA ESCOLA - INCLUSÃO SOCIAL
Editora Abril

VISITE NOSSO ACERVO
DE LIVROS NOVOS E USADOS



Procure na BUSCA pelo
autor ou pelo título.
Se tiver dúvida insira apenas
parte do título ou autor
 
Use palavras-chave para
achar o que procura.
ou click em
Busca Avançada

Fique atento ao valor do frete. Adquira mais livros.
Até 1 kilo, o preço do frete
tem o mesmo valor
 

Armando Correa de Siqueira Neto
é psicólogo, consultor, conferencista, escritor e autor de artigos publicados em livro, revistas
especializadas, jornais e sites e mestrando em Liderança. Desenvolve treinamentos. 
Psicólogo CRP 06/69637
Rua Benedito Rodrigues Morais, 447 - Jardim Brasília - Mogi Mirim Cep. 13.801-034
Fone: (19) 3862.2265 / 9193.4808

mop bomb stealth bomber
- fan7 - www5