Textos, Artigos e Analises
Home  |  Literatura  |  História  |  ebooks grátis  |  Testes Vocacionais Intercâmbio Cultural  |  Eshopping  |  Email   
 
Para Um Diagnóstico Informal da Dislexia
Vicente Martins


Atualmente, os principais pesquisadores, na área de Psicologia cognitiva, Neurolinguística, Psicolingüística e Psicopedagogia, entre os quais destacaria as investigações de Anne Van Hout e Françoise Etienne autores Dislexias: descrição, avaliação, explicação e tratamento ( Porto Alegre: Artmed, 2001) consideram que a dislexia, ou mais exatamente as dislexias, são um conjunto de déficits cognitivos que têm sua origem na alteração cerebral que afeta uma ou mais funções que participam do processamento da leitura.

A rigor, a dislexia vem ocupando a atenção dos dislexiólogos não apenas na vertente de aquisição
e desenvolvimento da lectoescrita, mas o processamento de informação e do acesso do leitor
ao código escrito.

Se a má leitura tem sido adquirida em decorrência da alteração cerebral ou neurológica, fala-se
em dislexia evolutiva ou desenvolvimental. Se o déficit aparece uma vez adquirida a leitura, fala-se em dislexia adquirida ou contraída. Seja lá como for, a dislexia não é uma doença, é uma síndrome
e sua etiologia, hereditária ou neurológica, levam-nos a crer que, dada sua raridade, não é tão simples seu diagnóstico. Por isso, a maioria dos médicos, prefere falar em déficit e não adotam o conceito dislexia. 

No meu entender, dislexia é um termo que pertence ao campo da lingüística clínica ou mais precisamente da psicolingüística ou psicopedagogia da educação escolar. Assim considerada, o que se tem observado, no meio escolar, em grande parte, não é a dislexia evolutiva ou adquirida, mas uma dislexia pedagógica que poderíamos chamar aqui simplesmente de dificuldade de
aprendizagem relacionada com a leitura (DAL).

Nos últimos anos, venho analisando relato de pais, especialmente das mães, quanto ao desempenho leitor de seus filhos. O caso mais recente é de Gadelha (nome fictício que dei ao sujeito de minha análise para preservar nome verdadeiro da criança). 

A mãe relata que Gadelha tem 12 anos de idade, mas ainda não lê bem nem escreve corretamente. Seguindo ela, Gadelha é portador de uma síndrome ainda não identificada pelos geneticistas.
Atualmente, o tratamento de Gadelha é feito com um especialista em genética do Instituto Fernandes Figueira, no Rio de Janeiro. O último neuropediatra consultado, segundo a mãe, chegou
à conclusão de que ele apresenta um foco de gliose no cérebro. O certo é que a criança tem um atraso no desenvolvimento, principalmente escolar, mas para outras atividades, como videogame
e jogos de computador ele está bem avançado, a não ser quando os jogos dependem de leitura. 
A mãe de Gadelha acrescenta que a criança freqüenta a escola desde os 03 anos de idade, e,
ainda, faz terapia fonoaudióloga, e mais, já teve acompanhamentos com psicopedagoga e psicólogos.

 


Ele está cursando a 2ª série, mas não tem capacidade para acompanhar o ritmo da turma que freqüenta. A mãe, a todo custo, busca formas de conseguir melhorar o aprendizado escolar de Gadelha, pois um dos seus grandes objetivos é o de tornar Gadelha um adulto independente e
capaz.
Outros relatos que chegam às minhas mãos , por e-mail, com uma certa freqüência, são do tipo da dificuldade de aprendizagem apresentada por Juanito. A criança, de 9 anos, está matriculado na 2a. série do primário. 

Juanito apresenta dificuldades de leitura e principalmente de escrita desde a alfabetização.
Aos 5 anos, segundo mãe, Juanito foi estudar em uma escola particular. Lá, as professores
disseram para mãe que Juanito tinha dificuldades visuais e escrevia com as duas mãos perfeitamente, inclusive numa mesma linha, dando continuidade ao assunto e desenhava de
ponta cabeça todos os desenhos.
Diante desse quadro, a mãe de Juanito achou que fosse uma fase escolar, de aquisição de aprendizagem, e por isso, não deu tanta importância. 

Aos 7 anos, Juanito, na 1a. série , depara-se com as estagiárias da escola da rede estadual de
ensino e estas alegam para mãe ele tem escrita espelhada. Informaram-na que ele troca letras, escrevia ao contrario, apresentava dificuldades na escrita, no entanto, aprendia todo conteúdo mas nas provas escritas, não conseguia notas por não conseguir interpretar e passar para o papel aquilo que entender os textos, no entanto, assegurava, a mãe, se as provas fossem orais, o rendimento seria, decerto, nota 10.

São dezenas de relatos dessa natureza que diariamente tenho recebido, lido e analisado. E isso me levou a preparar, na verdade, a adaptar uma proposta de protocolo informal para o diagnóstico da dislexia pedagógica, isto é, que resulta, em grande parte, do modelo ou metodologia adotada pela escola para o ensino de leitura. Baseia-se a proposta em os critérios de exclusão, como baixo Q.I, privação cultural e método ruim de ensino da leitura na escola. Uma criança, com retardo, por exemplo, tem dificuldade de ler porque é retardada, mas suas limitações estendem-se para outras atividades da vida cotidiana.

Faça um teste e descubra se seu filho tem dislexia
Click Aqui


LEIA TAMBÉM

Letramento: onde, como e por que foi criado este termo?

Letramento versus Alfabetização

Para Um Diagnóstico Informal da Dislexia

Dislexia e Maus-Tratos Infantil

Como descobrir uma criança disléxica

Dislexia: Uma Doença da Classe Média

Leituras Recomendadas  -  Click no Título
ALÉM DA ALFABETIZAÇÃO
Ana Teberosky - Ática

A PRODUÇÃO DA LEITURA NA ESCOLA

Ezequiel Theodoro da Silva - Ática

GUIA TEÓRICO DO ALFABETIZADOR

Miriam Lemle - Ática

LINGUAGEM E ESCOLA

Magda Soares - Ática

O BRASIL NA PONTA DA LÍNGUA

Pasquale Cipro Neto - Ática

DISTÚRBIOS DA APRENDIZAGEM

Ruth Caribé da Rocha Drouet

REVISTA NOVA ESCOLA - APRENDER E BRINCAR

Editora Abril

REVISTA NOVA ESCOLA - ATIVIDADES INFANTIS
Editora Abril

REVISTA NOVA ESCOLA - INCLUSÃO SOCIAL
Editora Abril



Procure na BUSCA pelo
autor ou pelo título.
Se tiver dúvida insira apenas
parte do título ou autor
 
Use palavras-chave para
achar o que procura.
ou click em
Busca Avançada

Fique atento ao valor do frete. Adquira mais livros.
Até 1 kilo, o preço do frete
tem o mesmo valor
Vicente Martins
Professor Assistente de Língua Portuguesa e Lingüística dos Cursos de Letras e Pedagogia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA). Graduado e pós-graduado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) com mestrado em Educação e área de concentração em política educacional, pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Coordena, desde 1995, o Núcleo de Estudos Lingüísticos e Sociais(NELSO/UVA).

flugelhorn
- fan7 - www5