Textos, Artigos e Analises
Home  |  Literatura  |  História  |  ebooks grátis  |  Testes Vocacionais Intercâmbio Cultural  |  Eshopping  |  Email  
Mudanças na Educação
Culpa dos Professores?
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro*
Mudança real requer evolução e não revolução: um chamado ao diálogo
Klaas van Veen
Escola de Pós-Graduação em Educação da Radboud University Nijmegen, Holanda

Fui solicitado pelos organizadores desta conferencia que refletisse sobre a questão: como
influenciar professores de escola para inserções práticas e sociais no currículo?

O ponto de partida foi o recente surto de toxinfecção alimentar numa escola do Rio de Janeiro,
que ilustraria a situação vulnerável do serviço de alimentação escolar em muitas escolas. Esta situação crítica criou o desejo de "promover e incentivar melhorias na construção do conhecimento sobre higiene, padrões de qualidade, treinamento e operação de limpeza, e desenvolvimento de inserções curriculares sobre limpeza como parte de qualidade de vida" (do e-mail dos organizadores). Baseado em minhas pesquisas sobre implementação de reformas educacionais e resposta dos professores a estas reformas, fui convidado a escrever esta e-palestra. Já que não sei do conteúdo das melhorias ou do contexto atual desta escola específica, minha percepção da questão sobre como influenciar professores para inserções curriculares práticas e sociais, é genérica referindo-se a como fazer os professores concordarem e implementarem a reforma. Assim, darei uma resposta genérica a esta questão, discutindo porque tantas reformas falharam nos últimos 30 anos em muitos países, e porque estas reformas somente são bem sucedidas se consideradas seriamente pelos professores.

Como as revisões sobre inovações educacionais mostram, muitas inovações dos últimos 30 anos em muitos países não foram bem sucedidas ou até mesmo fracassaram (Hargreaves et al, 1998). Frequentemente a culpa recai sobre os professores. Eles não querem implementar mudança porque são muito tradicionais, conservadores, desconhecem, passivos ou simplesmente preguiçosos. No entanto, este diagnóstico pode ser aplicado a alguns professores, mas, no meu entendimento, não à maioria. Além disto, muda o foco para longe dos verdadeiros problemas de muitas inovações educacionais, dos quais os professores não são responsáveis.

O aspecto problemático de muitas das inovações educacionais refere-se ao seu conteúdo, à forma como foram planejadas, e à forma de implementação. Com relação ao seu conteúdo, muitas inovações educacionais são apresentadas principalmente - em documentos de políticas, pesquisa de inovações, e na mídia - como sendo bons e assim visando melhorias educacionais. Muitas inovações, no entanto, são implementadas sem evidencias empíricas suficientes para melhorar a qualidade da educação (Fink and Stoll, 1998; Popkewitz, 1991). Geralmente só são adotadas por aqueles diretamente envolvidos com a inovação. Dos professores espera-se, simplesmente, que acreditem nas considerações destas pessoas.

Conforme Goodson (2000), as reformas representam uma coalizão de interesses e projetos
colocados uma mesma rubrica num ponto específico do tempo, ou seja, uma inovação pode ser construída como expressão de valores de pessoas, crenças, propósitos políticos e fins morais entranhados num contexto particular de poder. Entretanto, professores não são os típicos determinantes de reformas, que lhes soa como particularmente problemáticas pois muitos professores tem crenças arraigadas com relação ao seu trabalho e consideram-se fortemente como profissionais (Calderhead, 1996). Em outras palavras, muitos professores tem uma noção clara e sólida do que é eficaz nas suas salas de aula, mas freqüentemente não são consultados sobre seus pontos de vista mas apenas solicitados a implementar o que outras pessoas - geralmente não professores - planejaram.

Além do mais, muitas da inovações atuais simplesmente não consideram seriamente as preocupações e necessidades dos professores (Hargreaves, 1994). Assim, professores que estão lutando com problemas - muitos relacionados com o aprendizado de seus próprios alunos - são solicitados a implementar inovação que respondem a problemas que eles particularmente não estão experienciando no momento.

Além disso, com freqüência a reforma vem como parte de reformas em escala mais ampla, que incluem inovações divergentes mas para serem implantadas simultaneamente. Estas reformas em larga escala são, de fato, grupos de inovações e podem ser caracterizadas por sua complexidade, multidimensionalidade, e necessidade de acompanhar vários objetivos de forma simultânea (van den Berg and Sleegers, 1996). Além do mais, suas metas são, com freqüência, amplas demais, vagas, e excedem em ambição, e, geralmente, contém falhas de planejamento (Fink and Stoll, 1998). Aqueles responsáveis pela criação de inovações de larga-escala raramente pensam nos problemas de implementação, tarefa tipicamente relegadas aos professores. Estes são incumbidos do problema complexo de traduzir os pontos gerais de partida formulados na inovação para a implementação efetiva em classe de aula (van den Berg and Sleegers, 1996).

Concluindo, esta lista de problemas permite entender porque os professores mostram resistência a reformas. Por um lado, professores são considerados profissionais, ou gera-se a expectativa de assim considera-los, mas por outro lado, quando se tratam de inovações educacionais, geralmente os professores são raramente levados à sério.

Para tornar uma inovação bem sucedida, professores são a variável-chave. Como discutido em recente pesquisa em inovação, a implementação de inovações educacionais dependem, em grande parte, da significância dada à nova situação por aqueles envolvidos na inovação (Hargreaves et al. 1998). Professores são, com freqüência, os indivíduos mais envolvidos na inovação educacional, sendo críticos o seu papel específico no processo inovador, e sua percepção e reação ao processo. Assim, em muitas reformas, muita atenção vem sendo dada aos professores. A questão é se os professores estão sendo realmente considerados, ou se a atenção que lhes é dada é simplesmente um meio de conseguir a implementação da inovação. Como a relação acima sugere, muitas reformas ainda são problemáticas para os professores. Como Holmes (1998, p. 250) observou, "apesar da retórica, projetos de mudanças escolares são inevitavelmente de cima para baixo. Para toda a conversa de decisão democrática, colaboração e reconhecimento da importância dos professores, projetos de mudança são e devem ser implementados de cima".

Então, o que significa considerar seriamente o professor? A resposta a esta questão pode
ser tirada da lista de aspectos problemáticos, e também pode ser encontrada na literatura recente sobre inovação (Hargreaves et al, 1998). Os professores precisam ser envolvidos no planejamento da inovação, que começa com a concordância sobre o problema para o qual a inovação é necessária. Assim os professores sentirão que são proprietários da inovação, e que esta responde às suas necessidades e preocupações. Além disso, significa que professores precisam de tempo e apoio para desenvolver e implementar novas idéias. Em outras palavras, significa que deve haver um diálogo com e entre os professores. Soa simples, mas um diálogo verdadeiro é mais difícil do que parece. O diálogo parte da premissa de que todos tem uma contribuição a dar, é respeitado, acreditado e ouvido. Implica, também, na possibilidade de uma discussão crítica da inovação ou mesmo na sua mudança. Entretanto, diálogo demanda tempo, muito tempo. Exige que confiança e respeito sejam criados. E manter este diálogo sobre inovação, é necessário construir uma organização e clima na escola onde este diálogo ocorrerá.
 


Fica claro que este diálogo pede um enorme investimento em tempo, e tempo e geralmente
precioso em educação. Entretanto, o preço pode ser elevado, mas os resultados serão compensadores. As inovações serão melhor sucedidas, professores estarão mais comprometidos, contentes com seu trabalho, desejosos de continuar aprendendo, e, mais importante,
os estudantes receberão melhor educação.

No último verão, numa conferencia para sociólogos em São Francisco, o ex-presidente do Brasil, Fernando Henrique Cardoso, discursou, e lhe foi perguntado se seria uma idéia interessante professores ou intelectuais tornarem-se presidentes. Cardoso sorriu e disse: Não, geralmente é uma má idéia, porque intelectuais impõem idéias ao invés de iniciarem um diálogo. Disse, então, que na luta para reduzir a alta inflação no Brasil, deu início a diálogo como todas as pessoas e grupos necessários para resolver o problema inflacionário. Isto exigiu dele e de seus colaboradores tempo, muito tempo, mas ao final, a inflação foi reduzida - não tanto por sua causa, mas pelos esforços de todos os envolvidos. Mudança real requer evolução, através do diálogo, e não revolução, pela força. Assim, este chamado ao diálogo para fazer de uma inovação educacional um sucesso.

LEIA TAMBÉM...

Alfabetização sem Reprovação

A Avaliação como Fábrica de Fracasso Escolar

Como a Alfabetização Carencial Afeta a Leitura

Fatoração e produtos notáveis: Bingo Algébrico

O Pluralismo e as Idéias Pedagógicas

Jogos Matemáticos. Matemática não dói.

O Princípio da Liberdade de Ensinar

Como Atuar Passo a Passo na Psicopedagogia da Linguagem

Leituras Recomendadas  -  Click no Título
ALÉM DA ALFABETIZAÇÃO
Ana Teberosky - Ática

BRINCADEIRAS ENGRAÇADAS NA ESCOLA

Volney J Berkenbrock

BRINCADEIRAS PARA SALA DE AULA

Ângela Cristina Munhoz Maluf

A PRODUÇÃO DA LEITURA NA ESCOLA

Ezequiel Theodoro da Silva - Ática

GUIA TEÓRICO DO ALFABETIZADOR

Miriam Lemle - Ática

LINGUAGEM E ESCOLA

Magda Soares - Ática

O BRASIL NA PONTA DA LÍNGUA

Pasquale Cipro Neto - Ática

DISTÚRBIOS DA APRENDIZAGEM

Ruth Caribé da Rocha Drouet

REVISTA NOVA ESCOLA - APRENDER E BRINCAR

Editora Abril

REVISTA NOVA ESCOLA - ATIVIDADES INFANTIS
Editora Abril

REVISTA NOVA ESCOLA - INCLUSÃO SOCIAL
Editora Abril

VISITE NOSSO ACERVO
DE LIVROS NOVOS E USADOS





Procure na BUSCA pelo
autor ou pelo título.
Se tiver dúvida insira apenas
parte do título ou autor
 
Use palavras-chave para
achar o que procura.
ou click em
Busca Avançada

Fique atento ao valor do frete. Adquira mais livros.
Até 1 kilo, o preço do frete
tem o mesmo valor
Trabalho apresentado na e-Conferência Higiene e Segurança na Alimentação Escolar
http://www.ufrrj.br/e-conf )
Promoção:
Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro;
Câmara de Vereadores do Município de Seropédica;
Coordenação:
Prof. José Francisco Pereira Martins, PhD - Instituto de Tecnologia, UFRuralRJ;
Profa. Rosa Helena Luchese, PhD - Instituto de Tecnologia, UFRuralRJ;

gerber baby food cereal recall
- fan7 - www5