Amor de
Salvação
Home  |  Literatura  |  História  |  ebooks grátis  |  Testes Vocacionais Intercâmbio Cultural  |  Eshopping  |  Email   
Amor de Salvação
De Camilo Castelo Branco

Fontes*
Amor de Salvação é uma novela passional, considerada
pela crítica uma das obras mais bem acabadas de Camilo
Castelo Branco.

Advertência

O romantismo consagra a imagem da mulher tradicional e a visão do verdadeiro amor como destino fatal. Na literatura portuguesa, quem aparentemente mais contribuiu para isso foi Camilo Castelo Branco, particularmente com seus romances Amor de Perdição e Amor de Salvação.
Amor de Perdição, 1862, seu romance mais conhecido, e Amor de Salvação, 1864, foram lançados como uma aparente continuação, portanto não confunda as duas obras.

Comparando-as, percebemos semelhanças e diferenças entre as quatro personagens femininas fundamentais: Tereza e Mariana (Amor de Perdição); e Teodora e Mafalda (Amor de Salvação).
São elas que realmente agem nos romances.
Com elas notamos a presença de algumas características comuns, se não a todas, a um grande número de obras camilianas, características, como a presença do amor e do dinheiro, como
grandes responsáveis pela ação dos protagonistas.

Amor de Salvação

......lágrimas e alegrias de romance é tudo fútil.

O leitor folheia duzentas páginas deste livro, e o amor de felicidade e bom exemplo não se lhe depara, ou vagamente lhe preluz. Três partes do romance narram desventuras do amor de
desgraça e mau exemplo......

...... a felicidade, como história, escreve-se em poucas páginas: é idílio de curto fôlego.
É no sentir intraduzível da consciência que ela encerra epopéias infinitas - enquanto que a
desgraça não demarca balizas à experiência nem à imaginação.

Para o amor maldito, duzentas páginas; para o amor de salvação, as poucas restantes do livro.
Um Volume ou história que descrevesse um amor de bem-aventuranças
terrenas seria uma fábula.


O Autor
No Minho, em 1864

O Tema

Camilo Castelo Branco pertence à Segunda fase do Romantismo português, chamada Ultra-Romantismo – corrente literária da segunda metade do século XIX que leva ao exagero
os ideais românticos.
Escreveu vários gêneros de novelas: satíricas, históricas e de suspense. Mas foram suas novelas passionais – como Amor de Perdição e Amor de Salvação – que lhe deram maior projeção
dentro da literatura portuguesa.

Amor de Salvação é uma novela passional, considerada pela crítica uma das obras mais bem acabadas do autor.

A história relata lembranças que são contadas ao narrador pelo protagonista, em uma
noite de Natal, após um reencontro entre os dois que não se viam há quase doze anos.

Afonso e Teodora foram prometidos um ao outro, por suas mães que eram amigas desde os
tempos em que estudavam num convento. Após a morte da mãe, Teodora vai para um convento
e tem como tutor seu tio, pai de Eleutério Romão. Teodora e Afonso estão sempre em contato aguardando o tempo certo para casarem. Afonso resolve estudar fora por dois anos. Teodora influenciada pela amiga Libana quer casar-se o mais rápido possível. A mãe de Afonso, D. Eulália, pede-lhe para aguardar. Mas com a saída de Libana do convento Teodora se desespera e resolve casar-se com seu primo, Eleutério,
para libertar-se das grades do convento.

Eleutério era o oposto a beleza de Teodora, era rude e vestia-se de forma hilariante. Apesar da grande tentativa de seu tio, o padre Hilário, em
ensinar-lhe a ler, nada conseguiu. Vencido pela incapacidade de seu sobrinho, Padre Hilário desistiu afirmando que somente através de uma fresta no cérebro, aberta a machado, seria possível tal façanha. Teodora viveu em pompas, trajes de sedas,
cavalos, bailes, etc., mas nunca esquecera Afonso, enviava-lhe cartas de amor mas
nunca obtivera resposta.
Afonso sofreu muito com a notícia do casamento de Teodora, pediu a mãe permissão para se ausentar de Portugal. Contava sempre com o apoio e o consolo das cartas de sua mãe e sua
prima Mafalda, que o amava pacientemente. Após anos de amargura, sofrimento e luta
contendo-se diante das cartas de Teodora, para não fugir aos ensinamentos religiosos aos quais
sua mãe o educou, foi fulminado pela influencia do amigo José de Noronha que o incentivou a escrever à Teodora. Relutou mas não conseguiu. A tal carta foi cair nas mãos de Eleutério, leu
mas nada entendeu. Pediu então a um amigo ajuda para interpretá-la. A carta acabou sendo
rasgada por Fernão de Teive, dando a desculpa de serem grandes sandices, após junto com sua
filha Mafalda, reconhecer as intenções do remetente, seu sobrinho Afonso de Teive.

Não conformado Afonso parte ao encontro de Teodora. Eleutério quando os encontra juntos,
pede-lhes explicações. Teodora responde-lhe que é uma mulher livre a partir daquele momento,
e vai viver com Afonso. Passam momentos, ilusoriamente, felizes. Afonso abandona até a sua
própria mãe para viver ardentemente esta paixão que sempre o consumiu.
Sua mãe sempre afetuosa, apesar da grande tristeza, sustenta a vida luxuosa que Afonso
tem ao lado de Teodora .

Afonso quando fica sabendo da morte de sua mãe, através de carta escrita por Mafalda, se desespera. Teodora tenta consolá-lo, mas ele sente em suas palavras ironia e sente nojo de
tamanho fingimento. Procura isolar-se de Teodora e dos amigos. Durante este período,
Tranqueira, velho criado da família, alerta-o sobre as intenções do amigo José de Noronha por Teodora. No início se revolta contra o criado, mas acaba escutando-o e passa a observá-los. Encontra umas cartas que confirmam as suspeitas. Certo dia os pega juntinhos com gestos de
muita familiaridade. Aborrece-se pede para que Noronha saia de sua casa.
Teodora dissimulada como sempre, tenta enganá-lo, mas ele atira-lhe as cartas. Teodora
desmaia enquanto Tranqueira derruba Noronha na cisterna para vingar seu patrão.

Afonso passa alguns dias fora de casa, quando retorna encontra uma carta de Teodora
informando os pertences que havia levado consigo. Apesar de traído sente saudade da
encantadora Teodora. Vende tudo e parte para Paris atrás de um amor que o salve.
Gasta tudo o que tem. Por fim, pede ao seu tio Fernão para comprar-lhe a casa onde viveram
seus pais e avós, pois não queria ofender a memória de sua mãe que o havia pedido, em carta
antes morrer que não a vendesse. Mafalda com seu coração generoso e cheio de amor pelo primo, pede a seu pai que o atenda, e este assim o faz mas, com a condição de que a casa continuaria
sendo de Afonso. Afonso afunda-se cada vez mais em seus vícios e extravagâncias a ponto de
querer suicidar-se. Tranqueira, que nunca o abandonou, percebeu sua intenção e disse-lhe
severas palavras que o livraram de tamanha loucura. Mudou de vida, passou a trabalhar
e a estudar com apoio de seu criado.

Fernão de Teive adoece, e prestes a morrer pede ao padre Joaquim que vá a Paris entregar a Afonso, os documentos de propriedade da casa a qual comprara, apenas com intuito de ajudar o sobrinho. Após a morte de Fernão, Mafalda sentindo-se sozinha, resolve viajar com o padre
Joaquim para Paris com a objetivo de juntar-se as irmãs de caridade. Quando o padre Joaquim encontra Afonso e conta-lhe da morte do tio, este chora e corre ao encontro da prima que ficara
em uma hospedaria.

Mafalda conta ao primo sua decisão, mas padre Joaquim pede-lhes, pelo amor de Deus, que
ao invés disso, casem-se. Afonso aceitou de imediato e agradeceu à Deus por ter ouvido os
pedidos de sua mãe. Afonso e Mafalda voltaram para sua cidade, casaram-se,
tiveram oito filhos e foram muito felizes.

Apesar do título “Amor de Salvação” a novela relata em quase toda sua extensão, um “amor de perdição” entre Afonso de Teive e Teodora Palmira. Ao amor de salvação, Mafalda, são dedicadas somente as ultimas páginas do romance.

Biobliografia

Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco (1825 - 1890) teve uma vida que pode ser confundida
com uma de suas próprias novelas, ou seja, uma vida dramática e tão cheia de atribulações que chega a espelhar as histórias que escreveu.

Nascido em Lisboa a 16 de Março de 1825, na freguesia dos Mártires, Camilo ficou órfão de
mãe aos dois anos e de pai aos dez, passando a ser criado por uma tia e uma irmã. Aos 16 anos casou-se com Joaquina Pereira e, dois anos depois, em 1843, matricula-se na Faculdade de Medicina, porém, não conclui o curso. A partir de 1848, passa a viver do jornalismo e a
freqüentar a boêmia.


Quando completa 21 anos, rapta Patrícia Emília e vai viver com ela na cidade do Porto.
Logo depois é acusado e preso por bigamia. Depois de conseguir a liberdade, Camilo tem
alguns amores passageiros até encontrar, por volta de 1856, Ana Plácido, a "mulher de sua vida". Essa nova relação amorosa, no entanto, não é nada tranqüila, uma vez que Ana é casada
com Pinheiro Alves, um rico comerciante local.

Na impossibilidade de concretizar o seu amor, Camilo busca refúgio na religião e ingressa no Seminário do Porto, porém passa a ter um caso amoroso com a freira Isabel Cândida. Camilo permanece nesse seminário por dois anos e, depois de tentar
o suicídio, consegue viver junto à sua amada, que abandona o marido para viver com o escritor. Logo depois o casal é preso pelo crime de adultério. Os dois são julgados,
absolvidos e vão morar em Lisboa.

Camilo e Ana têm dois filhos com problemas de saúde e, por isso, enfrentam sérios problemas financeiros. Para garantir a sobrevivência da família, Camilo passa a escrever por encomenda, tornando-se o primeiro escritor português a viver exclusivamente da literatura. Em 1888 Ana e Camilo finalmente se casam. Ainda nesse ano o escritor começa a sentir os primeiros sintomas de cegueira, causada por uma sífilis crônica. Em 1890, a novela da vida de Camilo chega ao fim.
Ele suicida-se com um tiro de pistola em 1º de junho.

O fato de ter de sobreviver da literatura fez com que Camilo Castelo Branco concentrasse seus esforços na produção de novelas (narração, usualmente curta, ordenada e completa, de fatos humanos fictícios, mas, por via de regra, verossímeis). Isso se deu porque esse gênero literário agradava ao novo público consumidor, tornando-se assim de fácil consumo.

Obras literárias

Dentre a vasta obra composta por Camilo Castelo Branco podemos encontrar novelas de terror, satíricas, históricas e as passionais. Essas últimas compõem o gênero que mais caracteriza
o ultra-romantismo português. Nelas são apresentadas personagens que, devido os obstáculos encontrados para a realização do amor, tornam-se verdadeiros mártires desse sentimento.
As obras que merecem maior destaque são:

Carlota Ângela (1858),
Amor de Perdição (1862);
O Irônico Coração (1862);
Cabeça e Estômago (1862);
Amor de Salvação" (1864)
A Queda dum Anjo (1866),
A Doida do Candal (1867),
Novelas do Minho (1875-77),
Eusébio Macário (1879),
A Corja (1880),
A Brasileira de Prazins(1882)
Os Brilhantes do Brasileiro
Coisas que só eu sei
Uma Praga Rogada nas Escadas da Fôrca

*Fontes de Consulta

http://www.bibvirt.futuro.usp.br/textos/biografias/autores/camilo_castelo_branco

www.mundocultural.com.br

 Dados contidos na edição do livro vendida pelo jornal
O Estado de São Paulo a seus assinantes.

http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.php?op=resumos/docs/amordeperdicao

Luiz Antônio da Silva - professor de literatura da USP e do
Colégio Bandeirantes -
Especial para o Fovest

Sueli Rodrigues

>

Leia Também....

Riobaldo Grande Sertão: Veredas - Guimarães Rosa

Um Certo Capitão Rodrigo de Érico Veríssimo

Laços de família - ponto máximo da prosa de Clarice Lispector

Relato de um Certo Oriente Milton Hatoum

O Livro das Ignorãças  de Manoel de Barros

Leituras Para o Vestibular  -  Click no Título

AMOR DE SALVAÇÃO E AMOR DE PERDIÇÃO
Camilo Castelo Branco

INSÔNIA
Graciliano Ramos

MEMÓRIAS DE CÁRCERE - 2 Volumes
Graciliano Ramos

AGOSTO
Rubem Fonseca - Record

A ERA VARGAS

Maria Celina D'Araujo - Moderna

CIRANDA DE PEDRA
Lygia Fagundes Telles

AS CIDADES E AS SERRAS

Eça de Queirós

A MORENINHA

Joaquim Manoel de Macedo

A NORMALISTA

Adolfo Caminha

A RELÍQUIA

Eça de Queirós

AMOR DE CAPITU

Fernando Sabino

AS PUPILAS DO SENHOR REITOR

Júlio Diniz

ESAÚ E JACÓ
Machado de Assis

REVISTA NOVA ESCOLA
CONTOS PARA CRIANÇAS
Editora Abril

VISITE NOSSO ACERVO
DE LIVROS NOVOS E USADOS






Procure na BUSCA pelo
autor ou pelo título.
Se tiver dúvida insira apenas
parte do título ou autor
 
Use palavras-chave para
achar o que procura.
ou click em
Busca Avançada

Fique atento ao valor do frete. Adquira mais livros.
Até 1 kilo, o preço do frete
tem o mesmo valor
Eustáquio Lagoeiro Castelo Branco
Webmaster, Webwriter, professor graduado em história e sociologia,
pós-graduado com especialização em informática educacional
eduquenet@eduquenet.net
nome alaska abductions unexplained disappearances
- fan7 - www5