Violência
na Escola
Home  |  Literatura  |  História  |  ebooks grátis  |  Testes Vocacionais Intercâmbio Cultural  |  Eshopping  |  Email 
Quem Tem Medo do Lobo Mau?

Vicente Martins*

Qual a explicação pela explosão de violência no meio escolar? o que está passando em nossa sociedade, especialmente nas escolas de educação básica,  para que fatos dessa natureza possa ocorrer?

Há dias, o massacre em Erfut me incomoda insistentemente ao final da tarde. Em outros momentos, fiz poemas crepusculares. Agora, algo me diz que devo insistir, bater na mesma tecla, à guisa do meu adorável Teodor Adorno, a insistir, nas rádios, jornais e livros, sobre o horror nazista, do mesmo mod que Joseph Ratzinger, ou nosso Bento 16, agora, também, retoma, em tom de provocação, para uma reflexão de todos que lutam em favor da paz e da liberdade.

Refiro-me ao massacre escolar no Instituto Johann Gutemberg, em Erfurt, ao leste da Alemanha, no dia 26 de abril de 2002, que trouxe um saldo macabro para a história da violência escolar no mundo: dezoito mortos. Eu nunca me esquecerei dessa data. Como ficou a educação escolar, na Alemanha e no mundo, após o incidente em Erfurt? Por que, em educação, não temos medo do lobo mau?

O presente artigo objetiva retomar uma questão, por mim, colocada, há mais de quatro anos, para nós educadores. Gostaria de levantar e obter, também, respostas para algumas das questões que me incomodam e sei que inquietam educadores de todos os países: qual a explicação da explosão de violência no meio escolar? Que está passando em nossa sociedade, especialmente nas escolas de educação básica, para que ocorra um desastre dessa proporção? O que levou Robert Steinhaeuser , de 19 anos, a abrir fogo contra seus companheiros e professores?

Levantamos, aqui, a hipótese de que o mau professor tem sido um dos patrocinadores da barbárie
em Erfurt, Freising, Brandenburgo, Meissen, Colorado, Jonesboro, Kentucky, Mississipe,
Yemen, Reino Unido e América Latina.
A sociedade prefere, porém, encarar a problemática da violência escolar, envolvendo armas e
jovens, como uma questão meramente jurídica ou de controle social: o porte ou não de armas. A intolerância escolar é a mais poderosa arma mortífera que uma sociedade pode produzir.
A educação escolar, em qualquer parte do mundo, após o crime em Erfurt, não pode continuar a mesma: indiferente às vítimas e à fúria assassina de um Robert Steinhaeuser. As universidades e
as escolas, nessa sociedade capitalista, têm produzido e reproduzido, em larga escala, muitos
Robert Steinhaeuser. Eles se manifestam nos maus professores ou em suas vítimas, os maus
alunos, na verdade, ambos, também vítimas de uma pedagogia da intolerância que os lançam
numa voluntária e iníqua disposição para a perversidade.

Alunos ferozes são o produto mais apurado da intolerância e da felonia, dois males das escolas
pós-modernas no seio da sociedade globalizada. Nós, educadores, não podemos esperar mais
pelo pior em se tratando de horror escolar. O crime em Erfurt é reincidência da fúria escolar.
O massacre, no Colégio Gutemberg, é endemia multinacional. Erfurt deve ser sinônimo
de intolerância escolar.


Em crimes dessa proporção, os governantes, se pudessem, voltariam no tempo. São eles, também, que encontram, de imediato, explicação simplista para a violência escolar: mais rigor no porte de armas. Os políticos legislam sobre educação, mas muitos deles não sabem o real significado da escola em suas vidas.
Nós, educadores, ao contrário dos políticos, devemos encarar, de frente e com o olhar mais demorado, a violência escolar, pois sabemos que suas causas não vêm apenas do afrouxamento das leis ou ausência do controle social por parte dos aparelhos do Estado. Não se trata de a criança ou jovem ou adulto ser controlado quanto ao porte ou não de armas, mas, de a criança, desde à educação infantil, aprender a respeitar à vida como o bem mais precioso da humanidade.
Por trás de todo crime escolar, há um mau professor que o justifica na boca do aluno delinqüente. Não são poucos os maus professores que, no cenário do crime, à guisa de Robert Steinhaeuser, vestem-se de cores escuras para não dissimular seu comportamento radicalmente sóbrio e seu olhar sombrio sobre a tarefa de instruir. Desde cedo, alunos, candidatos ao fracasso escolar, descobrem nos professores amargos o primeiro sinal de uma pedagogia da intolerância.
Quase sempre, quando os maus professores embargam a voz, não é sinal de emoção, mas de repressão que logo se lançará, como flecha, num alvo certo: os perdedores, os que fracassam nas avaliações escolares.
O mau professor, em geral, é inflexível, e suas palavras são as mais duras que os alunos escutarão no decorrer de suas vidas. Suas aulas não são ministradas, mas executadas, com pontualidade e exatidão alemã que lembram mais máquinas, tiranas ou servas do tempo, não levando em conta que todo magistério tem por fim a formação de seres vivos e humanos e que o tempo de aula é tempo de se olhar feliz e contemplativamente sobre o tempo de viver.
O mau professor, quando severo, pode ser elegante, mas sua presença não traz prazer, e sim, medo. O professor severo é bem definido e acentua sua ideologia de ser. Por isso, os professores intolerantes, em sala, são as maiores vítimas da cola e dos desvios morais e éticos dos alunos. Nos massacres, sempre são os primeiros a serem mortos, vítimas daqueles que eles mesmo batizaram de “perdedores” ou “ fracassados”.
O mais grave é que muitos professores e diretores de escolas, públicas e privadas, ainda não tomaram consciência de que a sociedade escolheu a escola para ministrar o ensino com base nos princípio de uma pedagogia do amor, do pluralismo de idéias, de concepções pedagógicas e de respeito à liberdade.
Com o horrível crime em Erfurt, nós, educadores, aprenderemos a lição do apreço à tolerância?


Leia também....

O que é Bullyng?

Como Acabar com a Violência na Escola

Delinqüência Juvenil e Leitura

A Relação da Afetividade com a Inteligência


Leituras Recomendadas  -  Click no Título

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS
Miriam Abramovay e Maria das Graças Rua

ALÉM DA ALFABETIZAÇÃO
Ana Teberosky - Ática

A PRODUÇÃO DA LEITURA NA ESCOLA

Ezequiel Theodoro da Silva - Ática

GUIA TEÓRICO DO ALFABETIZADOR

Miriam Lemle - Ática

REVISTA SUPER INTERESSANTE:
A CIÊNCIA DA FELICIDADE

Editora Abril

RELACIONAMENTOS

Joan Declaire, John Gottman - Objetiva

PAIS: AMIGOS OU CENSORES

Dirce Bastos Silva

123 RESPOSTAS SOBRE DROGAS

Içami tiba - Scipione

OS CONSTRUTORES DA PAZ
CAMINHOS DA PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA

Maria Tereza Maldonado

REVISTA NOVA ESCOLA - INCLUSÃO SOCIAL
Editora Abril

VISITE NOSSO ACERVO
DE LIVROS NOVOS E USADOS




Procure na BUSCA pelo
autor ou pelo título.
Se tiver dúvida insira apenas
parte do título ou autor
 
Use palavras-chave para
achar o que procura.
ou click em
Busca Avançada

Fique atento ao valor do frete. Adquira mais livros.
Até 1 kilo, o preço do frete
tem o mesmo valor
Vicente Martins
Professor Assistente de Língua Portuguesa e Lingüística dos Cursos de Letras e Pedagogia da Universidade
Estadual Vale do Acaraú (UVA). Graduado e pós-graduado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) com mestrado em Educação e área de concentração em política educacional, pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Coordena, desde 1995, o Núcleo de Estudos Lingüísticos e Sociais(NELSO/UVA).
imdb
- fan7 - www5